Dons e Ministérios: fontes e desafios

Primeiro concílio da Igreja


O Concílio de Jerusalém foi uma importante reunião no início da igreja realizada por volta de 50 AD e é descrito em Atos 15.6-29. Ele relata que a conferência foi realizada para lidar com a questão do requisito para a salvação dos gentios. Este tema tinha sido levantada pelos judeus primeiro em Antioquia (Atos 14.26 - (Atos 15.01) e mais tarde em Jerusalém (Atos 15.3-5.) envolvidos na longa discussão eram os apóstolos e os anciãos (Atos 15.6).
Nesta primeira reunião, Tiago parece ter sido o moderador. Isso desmente o que dizem ter sido Pedro o primeiro papa da igreja.
Estavam presentes: 
-Pedro (Atos 15.7-11), 
-Paulo e Barnabé (Atos 15.12, 22-26), 
-Tiago, irmão de Jesus (Atos 15,13-21). 

-->

Os principais pontos acordados pelo conselho foram os seguintes:
1- Deus não faz distinção entre os crentes, judeus ou gentios (Atos 15.09).
2- A salvação é pela graça mediante a fé (Atos 15.9-11).
3- Deus confirmou a sua aceitação de gentios através de sinais e maravilhas (Atos 15.08, 12 ).
4- Inclusão dos gentios entre o seu povo era parte do propósito divino revelado no Antigo Testamento ( Atos 15.15-18 ; citando Amós 9. 11-12 ).
O conselho também publicou uma lista (às vezes chamado de "o decreto"). Ele instruiu os cristãos gentios a abster-se de fornicação, idolatria, comer animais que tinham sido estranguladas, e consumir sangue. (Os dois últimos itens pertenciam à dieta assuntos que muito separados judeus de gentios) A decisão foi enviada às igrejas de Antioquia, Síria e Cilícia ( Atos 15.23 ; cf. Atos 16.04)
O judaísmo de que o cristianismo surgiu foi uma religião legalista. pessoas procuraram para ganhar o favor de Deus, observando cerimônias e manter leis. Ele também ocupou a uma visão nacionalista que considerado Israel sozinho como "o povo de Deus." Foi necessário não judeus desejando ser identificado com Deus a submeter-se a circuncisão e a lei mosaica. Eles também tinham a oferecer certos sacrifícios. Os primeiros cristãos em Jerusalém parecem ter realizado pelo menos alguns destes pontos de vista, mesmo depois de reconhecer Jesus como o Messias.
Atos retrata uma série de eventos através da qual os antigos judeus atitudes legalistas foram expostos:
-Estevão questionou a visão Estreita religiosa que restrita presença de Deus, da atividade e preocupação em Jerusalém (Atos 07.01).
-Felipe levou samaritanos e um funcionário etíope, dois grupos que tinham apenas soltas tradicionais ligações com o judaísmo, a fé em Jesus (Atos 8.01 ).
-Pedro proclamou Jesus como Messias e Senhor a Cornélio, um bom tementes a Deus, mas gentio incircunciso (Atos 10.01). Através deste incidente Pedro veio a reconhecer que Deus não discrimina entre os povos (Atos 10.34-35).
A óbvia vinda do Espírito Santo sobre Cornélio e sua casa (Atos 10.44), desde a prova surpreendente da aceitação de Deus dos gentios. Isso não poderia ser posto em dúvida até mesmo por membros da judaica, grupo pró-circuncisão que testemunhou o evento (Atos 10.45-48) ou a quem mais tarde foi relatado (Atos 11.1-18). A conversão de Cornélio foi citada por Pedro no conselho (Atos 15,7-11). Aceitação de Deus de Cornélio poderia ter sido considerada como um caso excepcional por rigorosos cristãos judeus. Este foi impossibilitada pela a conversão dos gregos em Antioquia (Atos 11.20, NLT nota marginal) e do estabelecimento de uma igreja racial e culturalmente mista em que cidade (ver Atos 13.01).
Além disso, um grande número de gentios foram convertidos durante missionária de Paulo viagem para a Ásia Menor sul-central (Atos 13-14 ). Registros de atos que neste momento os cristãos judeus de Jerusalém veio a Antioquia e posto em movimento a crise que tornou necessária a convocação do conselho. Sua insistência de que os crentes gentios ser circuncidados e submeter à lei mosaica exigia que eles, de fato, a ser judeus nacional, socialmente e religiosamente, a fim de se tornarem cristãos. A igreja primitiva foi, assim, confrontados com a necessidade de tornar clara a sua relação com o judaísmo e da natureza da salvação que proclamou.
Em Jerusalém, o Conselho estabeleceu a verdade de que a salvação é um dom gratuito a ser recebido pela fé. Rejeitou esforço humano como um meio para alcançar a salvação. Implicitamente, disse que o cristianismo não era para ser restrito a qualquer particular, racial, nacional, cultural, ou grupo social. Conselho afirmou cristãos a estar livre da obrigação de ganhar a salvação através de cerimônias ou direito de manutenção. Ao mesmo tempo, ele reconheceu a necessidade prática de conduta responsável e adequada. Cristãos são para ter em conta a natureza moral de Deus e as sensibilidades e preocupações dos outros cristãos.

Comentários

  1. A Paz de Cristo, conhecer seu blog alegrou meu coração. Suas mensagens são edificantes para o Corpo de Cristo, e um bálsamo para todos que acessam esse espaço abençoado.
    Como prova do meu amor cristão deixo uma lembrancinha que fiz, espero que goste do acróstico:

    C ultivar uma vida de oração.
    R evigorar-se pela leitura diária da Palavra.
    E star sempre disposto a obedecer a Deus.
    S er uma testemunha fiel no viver e no falar.
    C onsagrar a Deus seu corpo, tempo e talentos.
    E sperar de Deus a orientação para a vida.
    R evestir-se do poder do Espírito Santo.

    Nós precisamos CRESCER na Graça e no conhecimento do nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.
    A propósito, caso ainda não esteja seguindo o meu blog, deixo o convite.
    http://frutodoespirito9.blogspot.com/

    Em Cristo,

    ***Lucy***

    P.S. Convido a visitar o blog do irmão J.C. repleto de mensagens abençoadoras; algumas polêmicas, porém ricas de entendimento.

    Acesse:
    http://discipulodecristo7.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Postar um comentário