HISTÓRIA DO SURGIMENTO DA IGREJA METODISTA WESLEYANA NO BRASIL

Introdução
Sempre despertou-me a curiosidade a respeito da existência de uma outra Igreja Metodista conhecida como ‘wesleyana’ e este trabalho me foi a oportunidade para ter que fazer uma pesquisa sobre o surgimento desta denominação metodista.
Infelizmente apesar de procurar não encontrei textos da Igreja Metodista ‘do Brasil’ sobre o acontecimento. Sendo assim, o texto a seguir é originário de fontes da Igreja Metodista Wesleyana, principalmente de sites oficiais da Igreja que testemunham segundo sua versão a sua fundação.

“A Igreja Metodista Wesleyana foi fundada no dia 05 de janeiro de 1967 em Nova Friburgo, Rio de Janeiro. Esta igreja é fruto do que é chamado por seus seguidores de avivamento espiritual. Na década de 60 alguns pastores foram afastados da Igreja Metodista por assumir uma postura diferente, por isso decidiram se unir e formar a Igreja Metodista Wesleyana, que tem vida própria. Os fundadores da Igreja Wesleyana foram os pastores: Waldemar Gomes de Figueiredo, Gessé Teixeira de Carvalho, Francisco Teodoro Batista, Idelmício Cabral dos Santos e José Moreira da Silva. Atualmente com 700 mil membros, a Igreja Metodista Wesleyana tem 400 igrejas em todo Brasil.[1]”


1. A crise de identidade na Igreja Metodista na década de 60
No começo da década de 1960, vários ministros e membros da Igreja Metodista do Brasil iniciaram um movimento de orações, onde fenômenos carismáticos ocorriam. Mais tarde, o contato com outras igrejas renovadas fizeram que esse grupo adotassem práticas como vigílias de oração, cânticos com estilos contemporâneos e cultos espontâneos.
A certa altura dos acontecimentos a direção da Igreja tomou posição de resistência e proibições à prática ou desenvolvimento da obra de renovação entendendo que não condizia com as práticas e doutrinas metodistas. Os pastores mais envolvidos com o movimento foram chamados e orientados no sentido de não prosseguirem com o que vinham imprimindo nas diversas igrejas, mas estes não obedeceram. Diante da situação o grupo tomou uma decisão definitiva: dar continuidade mesmo que fosse preciso formar outra igreja.
Em 1964 o grupo começou a ter contato com grupos de diversas denominações renovadas, o resultado desses contatos foi um maior envolvimento com as doutrinas pentecostais e, alguns membros do grupo começaram a ser batizados com o Espírito Santo.
Em 1966 os contatos com grupos pentecostais aumentaram e novos pastores aderiram ao movimento como Fred Morris e Waldemar Gomes de Figueiredo. Eram constantes as vigílias nos montes, as reuniões de oração e os retiros, o que acabou incomodando a Primeira Região (RJ) e o então bispo Natanael Inocêncio de Oliveira. Ainda em 1966 o grupo recebeu uma circular do gabinete episcopal proibindo orações com imposição de mãos, expulsar demônios, cantar corinhos e fazer vigílias constantes. No final da carta tinha a seguinte alternativa: “Se o grupo não obedecesse às normas da Igreja Metodista do Brasil, todos deveriam deixar as suas fileiras”.
No final de 1966 alguns dos componentes do grupo ficaram encarregados de visitar algumas igrejas de doutrina pentecostal para que no caso de uma exclusão em massa terem uma igreja em vista; não havia nenhuma intenção de criar uma nova denominação.

2. Os líderes do movimento[2]
Muitos pastores como: Gessé Teixeira de Carvalho atual Bispo da IMW - 1ª Região), José Moreira da Silva, Ildemício Cabral dos Santos, Danial Bonfim etc., começaram a realizar trabalhos de avivamento nos sentido de despertar as igrejas que pastoreavam na área de evangelização a na busca uma vida mais santificada. Embora vários pastores e leigos militassem pela renovação, não foram todos que decidiram se retirar da Igreja Metodista, alguns preferiram permanecer.
Os nomes que mais se destacaram na época foram: Idelmício Cabral dos Santos, Waldemar Gomes de Figueiredo, José Moreira da Silva, Waldemar Gomes de Figueiredo, José Moreira da Silva, Francisco Teodoro Batista, Gessé Teixeira de Carvalho, Córo da Silva Pereira, José Mendes da Silva, Zeny da Silva Pereira, Dinah Batista Rubim, Ariosto Mendes, Wilson da Silva Mendes, Jacir Vieira e Antônio Faleiro Sobrinho.

3. O concílio geral da Igreja Metodista do Brasil[3]
O concílio Geral da Igreja Metodista aconteceu na cidade do estado do Rio de Janeiro chamada Nova Friburgo em janeiro 1967. Era então Bispo Natanael Inocêncio de Oliveira durante todo este cisma e segundo relatam alguns, com a não eleição ao episcopado do Pr. Gessé Teixeira de Carvalho que dava esperança ao grupo de uma renovação na igreja, o grupo decepcionado se retirou do local.
Os bispos da época, em pastorais criteriosas e firmes, exortaram os pastores a voltarem às antigas práticas metodistas, no que não foram ouvidos. Finalmente, em pastoral mais enérgica, foi feito um apelo para que aqueles pastores abrissem mão de suas posições e disciplinadamente acatassem as leis da Igreja Metodista e suas ênfases doutrinárias. Durante o concílio o Bispo Natanael fez uma advertência ainda mais severa: “Se não pudessem fazer o caminho de volta, aqueles pastores foram exortados a devolverem suas credenciais”[4].

4. A reunião da ponte
Enquanto ainda estava sendo realizado o Concílio Geral da Igreja Metodista do Brasil, em Nova Friburgo/RJ, o grupo que saiu desceu a serra (se retirou do Concílio), sem nenhuma estatística em mãos para a formação de novas igrejas e se reuniu no dia 05 de janeiro de 1967 às 14 horas, na chamada "Reunião da Ponte" , ocasião do nascimento da nova igreja. A expressão "Reunião da Ponte" é muito conhecida igrejas em virtude da mesma ter o seu nascimento sobre uma ponte no pátio da fundação Getúlio Vargas[5].
Estavam presentes à esta reunião as seguintes pessoas: Idelmício Cabral dos Santos, Waldemar Gomes de Figueiredo, José Moreira da Silva, Waldemar Gomes de Figueiredo, José Moreira da Silva, Francisco Teodoro Batista, Gessé Teixeira de Carvalho, Córo da Silva Pereira, José Mendes da Silva, Zeny da Silva Pereira, Dinah Batista Rubim, Ariosto Mendes, Wilson da Silva Mendes, Jacir Vieira e Antônio Faleiro Sobrinho.

No dia 06 de janeiro, as notícias se propagaram e, em vários locais, grupos esperavam a presença de pastores que haviam saído da Igreja Metodista, dentro de um mês havia 30 igrejas organizadas.

5. As razões da divisão
As razões que deram origem à separação se basearam na doutrina do batismo com o Espírito Santo, como sendo uma Segunda benção para o crente e a aceitação da obra pentecostal, incluindo os dons espirituais, Operação de Maravilhas, Profecia, Discernimento, Línguas, Interpretação de Línguas, como também cânticos espirituais, revelações e visões. Acrescentando-se ainda à realização da obra do avivamento espiritual, cânticos de corinhos, orações pelos enfermos, sem liturgia e protocolos nos cultos.
Os motivos que levaram a criação da Igreja Metodista. Wesleyana foram:
1. A não adaptação do grupo as formas de governo das igrejas pentecostais visitadas anteriormente, dado a estrutura de governo de regime episcopal adotado pelo grupo.
2. Amparar os metodistas com a mesma experiência.

6. O nome da nova Igreja
Uma vez que nasceu, a nova igreja precisava de um nome, e vários forma apresentados, porém o que teve maior aceitação pelo grupo foi o que atualmente é conhecido e registrado Igreja Metodista Wesleyana. A intenção deste nome foi recordar a história do metodismo wesleyano, que teve início dia 24 de maio de 1738, na Inglaterra, com a gloriosa experiência que marcou a sua vida, a de um coração abrasado pelo fogo do Espírito Santo.

7. O concílio constituinte da nova igreja
O movimento Wesleyano começou a se desenvolver, e foi convocado o Concílio Constituinte para se reunir na cidade de Petrópolis nos dias 16 à 19 de fevereiro de 1967, ocasião em que foi organizada a Igreja. Novos obreiros vieram formar nas fileiras Wesleyanas e vários evangelistas foram eleitos. Nessa ocasião ficou definitivamente fundada a Igreja Metodista Wesleyana, aceitando como forma de governo o centralizado com o Conselho Geral, seguindo-se em linhas gerais o regime metodista.
Os estatutos da Igreja foram aprovados, eleitos oficialmente os membros do Conselho geral que ficou assim:
Superintendente Geral: Waldemar Gomes de Figueiredo
Secretário geral de Educação Cristã: José Moreira da Silva;
Secretário Geral de Missões: Gessé Teixeira de Carvalho;
Secretário Geral de Ação Social: Orieles Soares do Nascimento;
Secretário Geral de Finanças: Idelmício Cabral dos Santos;
Pres. da Junta Patrimonial da Igreja Metodista Wesleyana: Francisco Teodoro Batista;
Redator de "Voz Wesleyana": Gessé Teixeira de Carvalho.
Os membros do Concilio Constituinte são os organizadores da nova Igreja. São eles: Waldemar Gomes de Figueiredo, Idelmício Cabral dos Santos, Gessé Teixeira de Carvalho, José Moreira da Silva, Francisco Teodoro Batista, Antônio Faleiro Sobrinho, José Gonçalves, Isaías da Silva Costa, Alice Leny dos Santos, Pedro Morais Filho, Daniel Pedro de Paula, Ezequiel Luiz da Costa, Tobias Fernandes Moreira, Nilson de Paula Carneiro (atual Bispo da IMW - 2ª Região), Joaquim R. Penha, José Barreto de Macedo, Sebastião Morreira da Silva, Letreci Teodoro, Derly Neves, Dilson Pereira Leal, Nadir Neves da Costa, João Coelho Duarte, Dinah Batista Rubim, Córo da Silva Pereira, Helenice Bastos, Onaldo Rodrigues Pereira, Wilson Varjão, José M. Galhardo. José Tertuliano Pacheco, José Mendes da Silva, Clarice Alves Pacheco, Octávio Faustino dos Santos, Geraldo Vieira, Wilson R. Damasco e Azet Gerde e outros irmãos estiveram presentes mas não assinaram o livro contendo a ata de organização.
O Concílio constituinte elegeu uma Comissão de Legislação composta dos seguintes membros: Waldemar Gomes de f Figueiredo, Idelmício Cabral dos Santos, Gessé Teixeira de Carvalho, José Moreira da Silva, Francisco Teodoro Batista, João Coelho Duarte, Oriele Soares do Nascimento, José Mendes da Silva, Córo da Silva Pereira e Onaldo Rodrigues Pereira, a quem delegou poderes para preparar o manual da Igreja Metodista Wesleyana publicado em 1968.

ANEXO I - Datas importantes[6]
Algumas datas importantes são:[7]
1962 - Ministros e leigos começam a ser despertados para a obra de renovação.
1964 - Contato do grupo com grupos de denominações renovadas.
1966 - O grupo recebe uma circular do gabinete episcopal, visita do grupo renovado à igrejas de doutrina pentecostal para uma possível adesão.
05/01/1967- Fundação da Igreja Metodista Wesleyana.

ANEXO II - Dados sobre a Igreja Metodista Wesleyana hoje
A Igreja Metodista Wesleyana possui comunhão com a Iglesia Metodista Pentecostal de Chile e com a International Holiness Pentecostal Church dos Estados Unidos[8].
Foi grande o crescimento da igreja em 1967: em apenas um mês já tinha organizado no Estado de São Paulo 20 Igrejas. Os tempos passaram e ela alcançou não só todo Estado mas também todo o Brasil e está presente na Argentina, Paraguai, Portugal, Alemanha e Noruega.
A Igreja Metodista Wesleyana conta hoje com cerca de 700 mil membros.

Conclusão
A Igreja Metodista Wesleyana surgiu em um momento em que a Igreja Metodista ‘do Brasil’ precisava de uma adaptação aos novos desafios da modernidade e avanço que o país se encontrava. Em contrapartida a Igreja de um modo geral sofria com represálias da ditadura militar e não teve condições de enfrentar estes problemas de maneira melhor.
Quando estudamos isso aprendemos que em tempos de cismas é melhor esperar do que ‘forçar a barra’ e causar um rompimento. Creio que em reflexão sobre o ocorrido tanto na igreja que ficou como na que saiu, hoje 35 anos depois pode-se concluir que muito do que aconteceu não era preciso e que esta história poderia ser diferente, maior e melhor para todos.

Referência
http://www.imw.com.br/historia/ (15/10/08 às 21:25h)
http://www.imw3.com.br/historia.asp (1210/08 às 21:25h)
http://pt.wikipedia.org/wiki/Igreja_Metodista_Wesleyana (17/10/08- 21:29h)
http://www.imw.com.br/historia/ (1810/08 às 21:25h)
http://www.metodistavilaisabel.org.br/artigosepublicacoes/descricaobiografias.asp?Numero=543
http://pt.wikipedia.org/wiki/Igreja_Metodista_Wesleyana (17/10/08 - 15:31h)
http://imwcastroalves.vilabol.uol.com.br/wesleyana/imw.htm (17/10/08 - 21:31h)
http://paginas.terra.com.br/educacao/histigreja/wesleyanamain.htm (17/10/08 - 21:35h)

[1] http://paginas.terra.com.br/educacao/histigreja/wesleyanamain.htm (17/10/08 - 21:35)
[2] http://imwcastroalves.vilabol.uol.com.br/wesleyana/imw.htm (17/10/08 - 21:31)
[3] http://www.imw.com.br/historia/
[4] http://www.metodistavilaisabel.org.br/artigosepublicacoes/descricaobiografias.asp?Numero=543
[5] http://pt.wikipedia.org/wiki/Igreja_Metodista_Wesleyana
[6] http://www.imw.com.br/historia/
[7] http://www.imw3.com.br/historia.asp (ACESSO EM 17/10/08 às 21:25h)
[8] http://pt.wikipedia.org/wiki/Igreja_Metodista_Wesleyana (17/10/08- 21:29h)

3 comentários:

  1. adorei o relato, oxalá, se todos os Wesleyanos se interessasse pela linda historia dessa amada denominação.
    Eu amo a IMW.

    ResponderExcluir
  2. Parabens queridos irmãos por ouvir e obedecer a voz maravilhosa do Espirito Santo, que o Senhor Jesus Cristo continui lhes abençoando rica e poderosamente, no amor de Deus, Ev, Altair José Alves, Ass. de Deus Madureira mato grosso do Sul.

    ResponderExcluir
  3. muito bom estou entrando nessa denominaçao agora e gostei de sua história

    ResponderExcluir